RENT

TeatroSegunda-feira Julho 25
12654705_227405807594765_1280759577160568962_n


Onde?
Teatro Ibérico
Rua de Xabregas, Nº54 1900 Lisboa
Ver Mapa
?When

Até 28 Jul.| 20h

?How Much

10€



Onde?
Teatro Ibérico
Rua de Xabregas, Nº54 1900 Lisboa
Ver Mapa
Quando?

Até 28 Jul.| 20h

How Much?

10€

Há sempre quem diga que não gosta de musicais. Mas depois as músicas assaltam a mente e lá ficam, dias e dias, uma e outra vez. Com o Rent é assim. E calma que há falas suficientes não cantadas, e podemos dizer ser um musical diferente. Podemos até confessar ser lamechas, mas, no bom sentido, prometemos. 525.600 minutos, como se mede o que um ano traz? “Em sonhos, sorrisos, em beijos ou em surpresas”, como se mede um ano que passou?

Vindo agitar o panorama dos musicais nos anos 90, Rent surgiu como uma ópera rock dos tempos modernos que nos fala sobre jovens, relações, ambições, dificuldades financeiras e muito mais, tratando temas como a toxicodependência, o HIV, ou a homossexualidade, e claro, o Amor. O autor deste galardoado musical quis pegar na ideia base de La Bohème (dos anos 90 do século anterior) e encaixá-la no meio de “homelessness, spunky gay life, drag queens and punk” em East Village NY, por entre aquela típica onda de “struggling artist”. De Manhattan para o Intendente, esta adaptação mantém os “90′s” e a sua temática, mas transporta-a para a vida lisboeta. Desperta então a curiosidade de saber quão bem se traduz este clássico da Broadway. Quanto ao título, seguramente aqui se encaixaria hoje, como o saberá qualquer pessoa que tenha tentado arrendar casa recentemente, no infernal mercado desta cidade à beira mar plantada. Se nem com um emprego normalzinho um jovem se safa, imagine-se um aspirante a realizador sem um tostão ou um músico com uma doença infecciosa…

Mas Rent é muito mais do que isso. Cantem quando conquistam, cantem quando falham, gritem quando estão felizes e dancem quando estão nas lonas; vivam os 525.600 minutos, sempre. Se houver um qualquer tecto temporário, um punhado de amigos, um sorriso, ou um sonho… está tudo OK. Ah, la vie bohème!… Vamos sair hoje à noite? Vai ficar na memória.