100 Lisboetas que tens de conhecer!

#28 Miguel Fernandes

Miguel Fernandes é um dos mentores do LISB-ON. Cursou Gestão, mas a sua carreira não começou por aqui. Por vários acasos da vida, acabou por ingressar na noite e por se tornar numa figura acarinhada e representativa da noite Lisboeta. Nos últimos 20 anos, passou por alguns dos clubes mais emblemáticos de Lisboa, promoveu festas (sempre com algum twist, quer pelo horário ou pelos locais escolhidos) e como empreendedor, recebeu o convite para assumir o Arena Lounge – Casino Lisboa, onde permanece há 9 anos.

Tem inata esta vontade de fazer acontecer e é a convite de uns amigos com experiência nos sectores de entretimento, música e restauração que em conjunto decidem reunir-se para concretizar o projecto. É da partilha de ideias e da paixão em comum pela música e pela cidade, que decidem dar inicio a esta aventura: LISB-ON #Jardim Sonoro!
 

Diz-me quem é o Miguel Fernandes visto de fora?
De fora? …é um tipo de bigode, reservado e a precisar de frequentar o ginásio.

És alfacinha de berço, com devoção ou por convicção?
Nascido em Lisboa, a trabalhar em Lisboa e dormir fora. Sou “Lisboneta” por devoção e com convicção.

Porque achas que foste escolhido para esta lista de 100 Lisboetas que todos devem conhecer?
Pelo timing, diria que foi por causa do LISB-ON #Jardimsonoro. Por ser um projecto que ambiciona promover Lisboa como cidade cool e moderna. Porque como projecto, quer ser um breve contributo para o “hype” que muitos têm ajudado a construir e a manter. “Hype” cada vez mais reconhecido, tanto dentro como fora de portas.

Qual foi a pior ideia que tiveste até hoje?
…Esquecer-me e tentar viajar com o BI caducado!!

Que projectos estás a cozinhar neste momento no teu forno encefálico?
Nesse forno estão em ebulição imensos disparates como assegurar uma reforma feliz e de preferência muito antecipada ou umas férias de 6 meses, sempre atrás do sol já no próximo ano. Em relação a trabalho, a edição do LISB-ON de 2016, abrir um restaurante ou um alojamento local. Em relação a hobbys, aprender a tocar um instrumento e a meditar, ou passar música são “receitas” lá no forno.

Há algum segredo que ainda falte revelar sobre ti?
Pois há! E chamam-se assim por não serem revelados.

Gostas de alfaces?
Sim!

Para ti Lisboa é…
É o melhor sítio para viver! É casa, família, amigos, sol, trabalho, comida boa e também é diversão! Viver num sitio também é fazer parte dele. Sim, Lisboa tem problemas para resolver, mas tem coisas únicas e neste momento tem pulsar.

Revela-nos qual a tua 2ª cidade, a seguir a Lisboa, obviamente!
Barcelona.

Se fosses Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, qual a tua primeira medida?
Bania os “tuk-tuk” com motor a gasolina!

O que gostarias de ver em Lisboa na próxima semana, no próximo mês e no próximo ano?
Nicolas Jaar na próxima semana. Ryuichi Sakamoto no próximo mês. E prosperidade para o País, a vários níveis, no próximo ano.

Lisboa tem prazo de validade?
Isso dava para um debate extenso e bem interessante. Não querendo fugir à pergunta, se em diferentes quadrantes e em momentos de decisões estruturais se mantiver sempre como uma necessidade , a de responder positivamente (a esta pergunta), acredito que não. Se isso acontecer, Lisboa não tem prazo de validade.

Qual é a primeira coisa em que pensas quando regressas a Lisboa?
Água, beber água e matar saudades de uma refeição típica.

Se Lisboa fosse um espaço nocturno, qual seria?
O Lux.

Sugere-nos outras pessoas dignas da referência “100 Lisboetas que tens de conhecer!”
Pelo papel que a música tem na evolução de Lisboa, Rui Vargas, indiscutivelmente – desculpa Rui, but i really mean it!