100 Lisboetas que tens de conhecer!

#36 – Nelson Carvalheiro

Nelson Carvalheiro cresceu com os seus avós na aldeia da Marinha das Ondas, onde pequeno aprendeu a dar valor ao “Portugal Gastronómico dos Pequenitos”. No início de 2014 é declarado o melhor Travel Blogger Europeu em 2014, uns meros 6 meses depois de lançar o seu blog. Em 2015 ganha o FITUR World Travel Blogger.
Escreve em inglês para o mundo, mostrando Portugal como a sua identidade e marca que leva consigo para os destinos onde viaja. Pessoas, Viagens e Gastronomia são as razões pelas quais o Nelson se fez à estrada e que o levaram a trocar o mundo da hotelaria de luxo internacional pela caneta, papel e máquina fotográfica.
É um crente na identidade cultural através da gastronomia e procura sucessivamente locais pequenos e íntimos pois acredita que é nestes que se pode ter contacto com cultura de um povo em estado puro.
Nós aqui achamos que é o nosso Anthony Bourdain à Portuguesa e como acreditamos que vai ter tanto ou mais sucesso que o próprio demos-lhe o nº 36 desta lista!

Diz-me quem é o Nelson Carvalheiro visto de fora?
É um rapaz que cresceu numa aldeia pequena em Portugal, mas já teve a hipótese de viajar um bocadinho pelo mundo fora e conhecer o que o mundo tem para oferecer. Mas cada vez que viaja e conhece o mundo gosta mais de Portugal porque o leva para onde viaja e o acompanha nas viagens. É um rapaz que gosta de contar histórias de viagens e inspirar o leitor a viajar. Não está nisto para fazer dinheiro, mas a ideia do blog é contar histórias de viagens e inspirar pessoas a repetir a sua viagem. É alguém que viaja através da gastronomia e o faz para experimentar os detalhes específicos que um país, uma cultura e uma gastronomia têm para oferecer e como é viajar através desse território.

És alfacinha de berço, com devoção ou por convicção?
Por convicção. Portugal é um dos últimos destinos a serem descobertos na Europa, coisa que não acontecia há 5, 10 anos atrás. Lisboa tem sido a embaixadora e porta de entrada para Portugal.

Porque achas que foste escolhido para esta lista de 100 Lisboetas que todos devem conhecer?
Pelo reconhecimento internacional no meu blog, para aceder a informação sobre Portugal e Lisboa. Porque é um blog português sem ter de ser escrito em português e porque a maioria doas pessoas, usa o meu blog como referência para viajar por Portugal e como referência para experimentarem recomendações que eu fiz.
Também porque sou local expert para uma revista americana de viagem (afar.com) sobre Lisboa.

Qual foi a pior ideia que tiveste até hoje?
Tentar abrir o blog a outras pessoas e que infelizmente não cumpriram com os tempos e as exigências necessárias a quem escreve sobre viagens. Concluí que o meu blog tem de ser escrito por mim e não por pessoas que não estão preparadas para isto.

Que projectos estás a cozinhar neste momento no teu forno encefálico?
O lançamento do meu livro “Viagens pelas receitas de Portugal”. É uma grande conquista e estou focado na sua promoção, já que é um livro que fala do que é viajar por Portugal através da gastronomia, das pessoas, dos ingredientes, das receitas, dos lugares, das técnicas que fazem a gastronomia de Portugal e sai fora das grandes cidades.

Há algum segredo que ainda falte revelar sobre ti?
Tenho medo de voar. É uma coisa que faço regularmente mas desde que tive 2 tentativas falhadas de aterrar num voo nos Estado Unidos e acabámos noutro aeroporto, com rajadas de vento de 130kms/h, com toda a gente a gritar e a rezar ao meu lado que tenho muita ansiedade em voar.

Gostas de alfaces?
Gosto muito de alfaces. Na minha quinta, na Marinha das Ondas, plantamos alfaces orgânicas e cresci a comer alfaces. Faço muitas saladas no Verão e adoro alface.

Para ti Lisboa é…
Luz. Tive uma vez um hóspede no Palácio Belmonte onde fui Director, que era um realizador de cinema e me disse Lisboa é a luz. É uma cidade com uma luz maravilhosa, edifícios de cor clara, com várias cores misturadas, espaçosa, é branco, é vida, é vivacidade e jovial. É o sonho de qualquer cinematógrafo.

Revela-nos qual a tua 2ª cidade, a seguir a Lisboa, obviamente!
É o Porto. Tive oportunidade de passar por lá na escrita do livro e também já escrevi sobre o Porto no meu blog. Para mim é a próxima Meca da gastronomia na Europa, está a basear a sua oferta gastronómica na comida tradicional portuguesa nos pequenos restaurantes e tascas onde só se serve comida portuguesa e o espaço para os conceitos da moda é muito pequeno. O sufixo da “…eria” presente na peixaria, hamburgueria, pregaria, cevicheria é giro mas vem desvirtuar a oferta gastronómica de Lisboa, quando o nossos trunfo é a nossa gastronomia e esta devia sobrepor-se a estas ideias.

Se fosses Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, qual a tua primeira medida?
Abolir os tuk-tuks! É uma ideia horrenda, do Sudoeste Asiático, que só cria poluição sonora e visual e sem lugar em Lisboa. Lisboa é feita para ser viajada a pé ou de eléctrico, para se andar na rua, conhecer os lugares e nos perdermos.
Os tuk-tuks têm sempre o barulho constante da mota, criam imenso trânsito e são conduzidos por pessoas contratadas por meia dúzia de euros, sem formação ou certificação em Turismo, que prestam informações erradas e estapafúrdias sobre a História de Portugal e Lisboa e dão a sua própria visão pessoal do país.
Abolia isso e as lojas de mercadoria turística da Baixa abertas por chineses ou indianos que só criam poluição, com falta de controlo sobre a imagem de Lisboa que é passada para fora e que desvirtua a beleza da cidade.

O que gostarias de ver em Lisboa na próxima semana, no próximo mês e no próximo ano?
Lisboa e Portugal estão na moda e em 2016 vamos atingir os 20 milhões de turistas, o que é o dobro da nossa população. Lisboa precisa de melhor planeamento para receber estes turistas e precisa de um plano a longo prazo para que a cidade mantenha a ingenuidade e inovação de conceitos sem desvirtuar o simples.
Falava disto há tempo com um amigo a propósito de Veneza e o que acontece com os cruzeiros que param no porto e com os turistas que invadem a cidade durante meio-dia e de seguida voltam para o barco. Isto está a acontecer com Lisboa e o novo terminal de cruzeiros e não acho que é este tipo de turismos que devemos promover. Temos de parar de querer ser o destino mais barato da Europa e abrandar o ritmo de abertura dos hotéis. A oferta turística tem de ser moderada e de melhor qualidade, numa altura em que Portugal se está a tornar famoso por não ser ainda um destino altamente turístico.

Lisboa tem prazo de validade?
Sim, Lisboa não pode estar constantemente na moda. A Lisboa de há 5 ou 10 anos é diferente e foi-se alterando. Lisboa não pode continuar a receber tantos milhares de turistas porque não é fisicamente capaz de o continuar a fazer. Não sei qual é o prazo de validade, mas certamente que daqui a uns anos veremos se a cidade continua com este crescimento ou se estagna.

Qual é a primeira coisa em que pensas quando regressas a Lisboa?
É no Palácio Belmonte. Os 3 anos como Director daquele espaço ensinaram-me a amar Lisboa. O nascer do sol por cima do Panteão, a vista do cima do Castelo são as primeiras coisas em que penso e que associa a Lisboa.

Se Lisboa fosse uma viagem, qual seria?
Para mim seria uma viagem do que é ser Português e da História de Portugal, com o fado e melancolia, os Descobrimentos e o que fizemos pelo Mundo.

Sugere-nos outras pessoas dignas da referência “100 Lisboetas que tens de conhecer!”.
Sugeria 2 pessoas: o Frédéric Coustouls que recuperou o Palácio Belmonte, é uma figura excêntrica e extremamente interessante; e a Maria Braga a minha parceira no audiovisual do meu site que conta histórias através do vídeo e dá a conhecer a realidade de Lisboa de uma forma cândida e muito pessoal.