100 Lisboetas que tens de conhecer!

#43 – Nuno Vitorino

O Nuno começou a fazer BodyBoard em 1989 e ainda se lembra da sua 1ª prancha, uma “Genesis”. Em 1995 sofre um acidente que o deixa tetraplégico. Foi atleta paralímpico até ao ano de 2006 e representou Portugal em 2004 nos Jogos Paralímpicos em Atenas. É formado em Relações Internacionais pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas da Universidade de Lisboa.

A paixão pelas ondas fez com que Nuno voltasse ao Mar em 2009 acabando por se tornar num dos fundadores da SURFaddict- Associação Portuguesa de Surf Adaptado, para permitir que essa paixão fosse alargada a todos. Hoje já mais de um milhar de pessoas com deficiência tiveram a oportunidade de fazer surf. Com a SURFaddict desenvolve e adapta material de surf adequado a cada patologia.

É viciado em adrenalina e treina para surfar ondas grandes. Sabendo da responsabilidade que tem em inspirar e motivar outras pessoas com deficiência, o Nuno leva outros a superar-se. Como diz o seu lema de vida: “Nós não queremos saber se é difícil, apenas se é possível.

Diz-me quem é o Nuno visto de fora?
Gosto de me caracterizar como determinado e resiliente. Mas, ao mesmo tempo, sou uma pessoa conciliadora e de bom senso! Acima de tudo gosto de alegria e de sorrisos. Apesar de viver numa cadeira de rodas, todos os dias, tenho de fazer algo que marque pela positividade.

És alfacinha de berço, por devoção ou por convicção?
Nasci em Lisboa, quando venho de viagem e vejo Lisboa é como se estivesse a ver o sofá da minha sala.

Que projetos tens em mãos?
Costumo dizer que eu não sou nada sem o grupo de pessoas que comigo fazem estes projetos. Neste momento, temos em construção um grande movimento que é a SURFaddict – Associação Portuguesa de Surf Adaptado! Nós não escolhemos o mar, é ele que nos escolhe.

O que é que o mar te faz sentir que te fez levar a criar todo este projeto do Surf Adaptado?
O mar é liberdade, é paixão. E o melhor, é partilhar isto tudo com todos, e abrir o prazer de surfar a todos e assim nasceu a SURFaddict que até este momento já colocou mais de 1300 pessoas com deficiência a surfar.

Como é que os nossos leitores podem ajudar este projeto a continuar a crescer?
A forma mais direta é ajudando a construir e a comunicar a associação através da nossa pagina de facebook e outra é apoiando através de donativo com as informações em www.surfadaptado.pt

Depois de terem criado uma prancha própria, que outras novidades estão a caminho?
Nós estamos sempre a inovar e adaptar material a cada patologia. A grande novidade é que este ano vamos levar (novamente) o surf adaptado a uma ilha.

O que mudarias na tua vida hoje, olhando para trás?
A vida e a busca da felicidade é um processo de construção. É mais importante pensar no futuro e no passado. O que passou serve como processo de aprendizagem e não de arrependimento…por mais que isso pareça estranho.

Para ti Lisboa é…
…a cidade que aquece o coração!

Se fosses Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, qual a tua primeira medida?
Se fosse Presidente trataria da acessibilidade e rebaixava todos os passeios da cidade. Ao construir acessibilidade estamos a contribuir para uma cidade para todos. Ao nível da empregabilidade teria verdadeiramente uma preocupação na contratação de pessoas com deficiência. Faz falta ao município um provedor do cidadão com deficiência.

O que gostarias de ver em Lisboa na próxima semana, no próximo mês e no próximo ano?
Cultura, Cultura, Cultura. A cidade devia apoiar mais as associações que nesta cidade fazem um trabalho extraordinário.

Lisboa tem prazo de validade?
Uma cidade que se renova nunca tem prazo de validade.

Qual é a primeira coisa em que pensas quando regressas a Lisboa?
Que cidade linda e cheia de historia. Se o nosso rio falasse…

Desejo para 2016?
Menos política e mais pessoa no centro das decisões

Porque achas que foste escolhido para esta lista de 100 Lisboetas que todos devem conhecer? Sinceramente, talvez por nunca me ter conformado em ter de viver numa cadeira de rodas… Mas no fim das contas, eu não sou louco, eu só estou a viver. Tal como o lema da minha vida: Nós não queremos saber se é difícil, apenas se é possível.

Sugere-nos outras pessoas dignas da referência “100 Lisboetas que tens de conhecer!”.
Esta menina que tem um sonho imenso e que vale a pena ler.