100 Lisboetas que tens de conhecer!

#49 Filipe Domingues

Filipe Domingues, nascido e criado na verdadeira “cidade da luz”, Lisboa, é fotógrafo e art director na McCann Lisboa. Criar campanhas para grandes marcas é uma das suas paixões (Filipe foi, por exemplo, uma das mentes por detrás do “dar a volta” da Caixa Geral de Depósitos). Mas a outra grande paixão é a Fotografia, principalmente analógica. Se durante a sua licenciatura em Publicidade no Instituto Politécnico de Lisboa teve os primeiros contactos com a fotografia analógica e logo sentiu um interesse maior, a paixão consolidou-se após o curso no Instituto Português de Fotografia. O que mais gosta de fotografar são pessoas.

Filipe é co-criador e editor da ‘I’m Not Perfect Zine’, uma revista de fotografia analógica que publica o trabalho submetido por fotógrafos de todo o mundo, desde que claro está, fotografado em película! O percurso desta revista, que prima pelo bom gosto, pela atenção ao detalhe, pela beleza da imperfeição, tem levado o nome de Lisboa e de Portugal consigo!

Diz-me, quem é o Filipe visto de fora?
Antes de mais Benfiquista, depois tudo o resto. Perfeccionista, insatisfeito, directo e que odeia que lhe digam não.

És alfacinha de berço, por devoção ou por convicção?
Devoto alfacinha de berço! Já tive oportunidades para sair de Portugal e a cidade foi sempre um dos factores em consideração.

Que projectos tens em mãos?
Tenho vários projectos em mente, pensados e falados, outros que começam agora a dar os primeiros passos. A curto prazo fotografar com novos estilistas e modelos nacionais que querem mostrar o seu potencial. Continuar a trabalhar para fazer crescer a I’m Not Perfect Zine. Uma revista de fotografia analógica, que cresce a cada dia que passa e onde já foram publicados alguns dos melhores fotógrafos mundiais a fotografar em película. É um projecto que me dá um gozo imenso, porque recebemos submissões de todo o mundo, mesmo. Até da Síria!
O próximo passo, agora que a revista começa a atingir um novo patamar, será lançar um livro com os melhores fotógrafos já publicados.

O que te levou a apaixonar pela fotografia analógica?
Tudo. Começando pelo facto de ser manual, o que te obriga a estar mais atento, a aproveitar cada frame com uma dedicação diferente. A adrenalina de não saberes o resultado até revelares os negativos. Por fim, o resultado compensa tudo, pois a fotografia analógica é muito mais real, mais verdadeira. É o melhor filtro que se pode dar a uma imagem.

O que é que a Imperfeição tem de Belo?
As pequenas imperfeições, são o que tornam aquela fotografia, aquela pessoa e aquele momento únicos, irrepetíveis e memoráveis. É indescritível o que sinto, quando consigo captar essas imperfeições de uma forma perfeita. O que chamo de perfeitas imperfeições.

Qual foi a maior surpresa trazida pela I’m Not Perfect Zine?
Uma das grandes surpresas foi chegar ao e-mail e encontrar a submissão de fotógrafos internacionais que admiro e que já seguia há bastante tempo.

Para ti Lisboa é…
É a minha casa. São as brincadeiras de infância, os meus avós… É o único sitio que sempre que estou fora, sinto verdadeiramente saudades.

Se fosses Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, qual a tua primeira medida?
Acho que em Lisboa temos tido muita sorte com os últimos presidentes, que muito fizeram pela cidade, como a devolução da frente ribeirinha aos cidadãos, a transformação da cidade numa cidade viva. No entanto, ainda há muito por fazer.
A minha primeira grande medida, seria dar a oportunidade aos jovens lisboetas de não serem obrigados a morar fora da sua cidade. A cidade tem milhares de prédios devolutos, parados, em que os proprietários esperam a valorização e posterior venda, e a câmara nada faz. Enquanto isso, temos o êxodo diário de jovens, para os arredores da cidade, porque a opção é pagar rendas altíssimas ou partilhar casa.

O que gostarias de ver em Lisboa na próxima semana, no próximo mês e no próximo ano?
Gostaria, de ver Lisboa transformada na cidade com mais terraços do mundo, para se aproveitar ainda mais esta luz fantástica!

Lisboa tem prazo de validade?
Não só acho que não tem prazo de validade, como acho que tem espaço para ser uma cidade ainda mais perfeita.

Qual é a primeira coisa em que pensas quando regressas a Lisboa?
Home sweet home!

Desejo para 2016?
Benfica campeão europeu!

Sugere-nos outras pessoas dignas da referência “100 Lisboetas que tens de conhecer!”.
Arte: Kruella + Corleone.
Música: Jorge Caiado, artista na empresa Carpet Music, e Produtor Musical e DJ na empresa GROOVEMENT.
Empreendedorismo: Mariana Duarte Silva, co-fundadora do Village Underground Lisboa