Inspiração

De 14 a 20 de Julho

Capa de Francisco Moura Pinheiro.

Heróis no Mar, Campeões na Terra

O ano de 1894 já vai longe, mas no dia 2 de Março, no extinto Campo Inglês no Porto, disputava-se aquela que foi a primeira partida do que viria a ser o Futebol profissional Português. Jogava Lisboa contra Porto num dia em que até o Rei foi à bola. A presença de D. Carlos I causou espanto popular pelo atraso com que chegou para assistir ao jogo, tendo os jogadores parado a meio do segundo tempo para que a Família Real fosse ovacionada por quem os assistia chegar. Especula-se se essa não foi a razão pela qual Lisboa ganhou a taça oferecida pelo Monarca!

Mais longe vai o ano de 1143 quando D. Afonso Henriques, espada na mão, se torna no Conquistador e declara o condado em Reino e faz de Portugal o seu domínio e País.

Depois da Conquista a Expansão. O campo fez-se ondulado, e tal como Camões escreveu, “da ocidental praia Lusitana, / Por mares nunca de antes navegados, / Passaram ainda além da Taprobana”. A selecção das Quinas lançou-se, e na esfera armilar se posicionando, pela mão do Infante D. Henrique navegando.

João Gonçalves Zarco descobre e povoa a Ilha da Madeira em 1419. Gonçalo Velho Cabral é recrutado para povoar o Arquipélago Açoriano em 1431. Gil Eanes aventura-se e dobra o Cabo Bojador em 1434. Diogo Cão explora a a Costa Sudeste Africana em 1482 e em 1488 Bartolomeu Dias faz do Cabo das Tormentas uma Boa Esperança Portuguesa. Uma década depois Vasco da Gama descobre o Caminho Marítimo para a Índia e 1500 começa com o Achamento do Brasil por Pedro Álvares Cabral.

Mas como nem tudo o que é Nacional por terras Lusitanas fica (e a exportação é a política Nacional), tal como um Cristiano Ronaldo actual, entre 1519 e 1522 Fernão de Magalhães faz a primeira viagem de circum navegação ao serviço da Coroa Espanhola.

Os tempos mudam mas a Conquista soma e segue. A selecção agora é outra, mas os Heróis são os mesmos, ainda que com outros nomes!
#heróisdomar #naçãovalenteeimortal