Inspiração

De 16 a 22 de Junho

Capa de Francisco Moura Pinheiro.

É sem dúvida mais aquilo que nos une do que aquilo que nos separa.

Até à evolução do homo sapiens passam-se uns estimados 2,4 milhões de anos em que, de símios quadrúpedes, se evolui para homo erectus, capaz de manobrar o fogo. Nos últimos 200 mil anos então, a teoria da evolução das espécies aplica-se num crescendo sem par.

O Homem deixou de ser pré-Histórico, estabeleceu a civilização, criou a sua cultura, aprendeu a comunicar. Instruiu-se e educou-se por forma a legar à geração seguinte todo o ensinamento que antes juntara.

Só que o tempo do Homem não era o tempo da Humanidade. O seu pulso não batia em sintonia com a imparável cronologia. Impunha-se sem se adaptar. Num repente, o Homem de igual fez-se diferente. Uma cisão cultural.

Mas o tempo é Humano e a memória genética. A comunicação aperfeiçoa-se no agregar de uma cultura que se adapta.
#LOVEWINS
A Humanidade volta a ser uma. Una.