Ricardo Guerra

Foto: Chtcheglov

Quando ouvimos Ricardo Guerra é impossível não bater o pé, não esboçar um sorriso e não sentir que a Vida é tão bonita! Há 3 décadas com os dedos entre os pratos e as agulhas, Ricardo Guerra enche o som das nossas vidas com remisturas refundidas, edits e bootlegs, com uma versatilidade sem limites que agita semana após semana a frequência 102.6 da Oxigénio em Lisboa com o programa REVOLTA do Vinyl e também a Rádio MEO Sudoeste, com o seu VÍRUS.

Desde cedo Ricardo embarcou na aventura da música e ainda bem, pois marcou a diferença. Fez parte das equipas que fundaram a Rádio Marginal e a Oxigénio e pertenceu a programas de culto como o “Hotel Califórnia” ou “Planeta Rock”. Da rádio passou para a pista de dança e frequentemente podemos ouvi-lo ao vivo. Certamente já o ouviste numa das cabines mais importantes do nosso país, como o Meo Sudoeste, Vodafone Mexefest, Belém Art Fest, Musicbox, Ministerium, etc.

Hoje fica a conhecê-lo um pouco melhor e na próxima oportunidade vai vê-lo ao vivo e dançar até os teus pés doerem!

Como está a ser a aventura da Revolta do Vinyl?
A REVOLTA é mesmo isso, uma aventura, todos os dias diferente, sempre desafiante e recompensadora.

Gostas mais do vinil ou do ipod?
De vinil definitivamente, continua a ser sempre presença na minha sala e na minha bancada de DJ, adoro o som, o toque, as capas, os pratos (gira-discos), etc.

Além da música qual é o teu outro amor?
Gosto muito de ler, tenho sempre um livro comigo, mas na verdade, o meu grande amor são as minhas duas filhas.

Com que DJ sonhas dividir o palco um dia?
Fred Falke, é uma inspiração, uma espécie de mentor, já esteve mais longe de acontecer…

Planos para o futuro, conta-nos tudo!
Não tenho por hábito fazer grandes planos, mas vêm novidades, neste momento são segredo…

As Sunset Parties têm-te permitido ver pores do sol lindíssimos. Mas aqui que ninguém nos ouve, onde é que tu preferes ver o pôr do sol?
Depende do meu estado de espírito, mas existe um refúgio longe do mar, onde me perco sempre que preciso de descansar, é cá em Portugal, na Beira-Baixa. E mais não revelo.

O que torna a noite lisboeta tão especial?
Lisboa é uma cidade deslumbrante, que combina toda a sua tradição e história com uma modernidade crescente, a noite não é excepção, com espaços novos a abrir todos os dias, com um público interessado e cada vez mais conhecedor, com uma oferta musical variada e eclética.

Qual o DJ set que melhor descreve Lisboa?
Não diria que há um Set que defina por si só Lisboa, a REVOLTA é uma fusão de influências e cores musicais, assim como o é a nossa maravilhosa capital, o que eu gosto mesmo é que sejam os ouvintes a fazer essa escolha e o Podcast existe também para isso.